quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Dia 306 - E então quando tudo parecia ir de vento em popa...

Dia 27/07/2012 meu esposo chegou em casa e comentou que um funcionário da empresa em que ele trabalha tentou ir a um hospital na cidade vizinha e que recusaram o plano de saúde. Ele ouviu a história já no ônibus na volta para casa e não havia como saber o que havia acontecido.
Na hora me deu um gelo na espinha, um medo. Eu liguei no plano de saúde e a resposta foi que meu plano ia dar cobertura até o dia 31.
Eu não ouvi mais nada. Naquela semana eu ia passar em uma consulta protocolar com o cirurgião. Não ia marcar nada, mas tinha de passar pela tal consulta, no dia 05 de agosto eu ia assistir a 5 palestra e só faltariam mais 2 para terminar o processo. Tudo virou um monte de ia.
Era sexta-feira, passavam das 20:00 e não tinha nada que eu pudesse fazer. Nada de plano de saúde. Eu não sabia se estavam trocando o plano, se meu esposo seria mandado embora, só sabia que todo aquele processo na dix tinha ido pelo ralo. E eu chorei. um fim de semana inteiro.
 Na segunda meu esposo foi procurar o RH e informaram apenas que assim que tivessem tudo acertado iriam esclarescer tudo aos funcionários.
Só no dia 1 de agosto é que informaram que seria pela intermédica, co-participação(ou seja passou no médico, pagou). Eu ainda não acreditava que a empresa tinha mudado as coisas da noite para o dia. Liguei na ANS para saber como fazer para garantir a continuidade do tratamento: Não tinha lei que obrigasse o plano de saúde a continuar de onde eu tinha parado na operadora anterior.
Até que eu tivesse novas informações demorou um tempinho. Eu  pedi auxilio ao RH da empresa do marido, mandei um e-mail explcando minha situação e eles interviram junto á intermédica.
Marcaram uma avaliação com o endocrinologista de lá para dia 4 de setembro. Eu tinha uma esperança!

domingo, 27 de janeiro de 2013

Dia 283 - O que comer para decrescer



Quando você vê um antes e depois de um gastroplastizado você sonha com um mundo encantado de quilos indo embora, para nunca mais voltar, todo dia a maravilha de subir na balança e estar mais magra. Mas de uma imagem para a outra tem uma história de privações e de reeducação alimentar obrigatória passa desapercebida á primeira olhada.

No dia  04/07/2012 foi justamente a palestra sobre a dieta pós  cirurgica na dix a dieta é dividida em 4 partes:


AVISO: ESSE É APENAS UM RESUMO DA DIETA SEGUIDA POR UM GASTROPLASTIZADO, CADA MÉDICO RECEITA A SUA BASEADO NO TIPO DE CIRURGIA E NO PACIENTE. OU SEJA SIGA A DIETA E DATAS RECOMENDADAS POR SEU NUTRICIONISTA!

1ª Fase- Primeiros 15 dias Dieta liquida
Líquidos Recomendados:
Água (sem gás)
Chá de ervas
Agua de côco
Bebidas isotônicas
Suco de fruta coado
Suco de soja sem açucar
Leite de soja
Gelatina dietética
Caldo de legumes:Cozinhar os legumes, verduras, e a carnes e passar na peneira fina = aparência de água suja.
Tomar 50 ml de líquidos a cada 15 a 20 minutos.

*Pensa aí, você que come, belisca e come mais um pouquinho, só no caldo, e nada de ter o olho maior que o estômago ou você está arriscado a conseguir uma fissura que é o rompimento da suturas, e vazamento do suco gástrico! Pois é nada mole. E isso é a primeira fase.
=========================================================================
2ª Fase  15 a 30 dias

Leite desnatado 1/2 copo
Bolacha agua e sal 2 unidades
Pera raspada1/2 unidade
Sopa de legumes (retirando as hortaliças e mastigando o bagaço da carne sem engolir)
Gelatina
Mingau de aveia

Uma fase mais amena, mais opções uma mastigadinha ali outra aqui, mas nada do que se come no dia a dia.
=========================================================================
3ª Fase - Dieta pastosa após 30 dias


Leite desnatado
Pão francês sem miolo(1/2)
Requeijão

Arroz bem cozido 1 col sopa
Caldo de feijão 2 col sopa
Frango desfiado 3 col sopa
Legumes bem cozidos

Evitar temperos industrializados ou temperos fortes.
Gelatina Diet

Um momento quase papinha de nenê, criança de um aninho, né.
Vejam que a quantidade é pouquinha e tem gente que não consegue comer tudo

=========================================================================
4ª Fase - Dieta branda após 45 dias

Aqui melhora:

Leite desnatado com gotas de café(1/2 copo) *a quem querem enganar com essas gotas de café, sério?

Pão francês sem miolo(1/2)
Requeijão

Arroz bem cozido 1 col sopa
Caldo de feijão 2 col sopa
Frango desfiado 3 col sopa
Legumes bem cozidos


Aqui o que melhora é variedade das substituições e a textura dos alimentos, como omlelete , macarrão com molho de tomate caseiro, hamburger light, peixe bem cozido!

Não pode açucar, evitar frituras e mastigar muuito bem os alimentos.

O que não dizem na palestra e que tenho acompanhado com as meninas já operadas é que nas mudanças de dietas tem gente com dificuldade de se adaptar, que não conseguem comer a quantidade ou alguns alimentos  dos quais você pode se tornar intolerante....

Daí em diante você tem de seguir uma reeducação alimentar, com visitas regulares áo nutricionista, que adaptará suas necessidades  e te ajudará a se manter na linha.
A dieta da cirurgia que eu vou fazer é um pouco diferente, a primeira fase dura 30 dias.
Meus parabéns a todos que passaram por tudo isso e mais um pouco e conquistou sua saúde!

Dia 227 a 255 - Palestra com a psicóloga e os monstros do ármário do gordinho

A palestra com a  nutricionista (dia 227) foi sobre comer bem, para se preparar para a vida nova. Era sobre o que nós estamos cansados de saber, verduras, frutas e legumes são do bem, açucar e carboidratos coma pouquinho, beba água, manere na carne, evite gorduras e faça o baniento do seu amado refri. Então pularemos ao dia 255 (06/07).

Vou contar uma coisa. Na consulta a psicóloga num ajudou em nada. Mas  na palestra eles nos alertam sobre as compulsões que podemos desenvolver em decorrência da cirurgia bariátrica.

Pense bem. A comida é um aporte emocional para quem é obeso.Por mais que você não seja compulsivo( o clássico comer muito, muito rápido, até nçao aguentar mais e querer se esconder debaixo da cama de vergonha depois) se você exagera na comida e se vê sem poder comer quase nada das besteiras que comia por um tempo, você tende a exagerar com um outro hábito:

  • Comprar demais;
  • Se exercitar demais;
  • Se tornar ninfomaníaco;
  • Se tornar dependende de drogas ou alcool.
  • Se tornar jogador compulsivo.
Além dos clássicos anorexia, bulimia e a própria compulsão alimentar.

Ou seja, antes de achar que a cirurgia vai resolver a sua vida, saiba que ela é uma ótima ferramenta de reeducação alimetar, mas não é milagreira. Uma vez sem a comida e a obesidade mascarando seus sentimentos e frustrações, há todo um mundo de sentimentos que vai se revelar e que você terá de enfrentar.

Ai eu fiquei feliz de ter começado a terapia. Eu queria alguém para me ajudar com esses sentimentos estranhos, que eu reprimi durante anos debaixo da obesidade e que quando saiam faziam um estrago dos bons. Dá trabalho ir  todas as sextas de manhã na psicoterapeuta, mas eu me sinto cada vez mais conhecedora desses monstrinhos no ármario da gordinha...


Dia 204 - Primeira palestra - Uhu!

Então que de tanto reclamar eu finalmente entrei para o módulo cirúrgico.  Só que a primeira palestra só para o dia 16/04/2012, ou seja, dia 204. E lá se vai a gente feliz ver a inforlmação que lhe darão na tal palestra. Para começo te dizem que pelo menos 20% dos operados vão voltar a engordar(nossa agora sim me animei). Que uma boa preparação é hiper importante e que são 7 palestras, cada uma com  duração de 1 hora e meia (MENTIRA DA GROSSA  o máximo de tempo nas palestras da Dix foram  45 minutos) , que não pode atrasar e tals.
Aí começam a dizer o óbvio (ao menos para mim) que você não sai da sala de cirurgia uma modelo, que você vai perder peso e ganhar pelancas, vão cair seus cabelos, você vai precisar de vitaminas para sempre, que a Dix só faz capella por que capella é o único método bom( o que eu óbviamente discordo, já que cada caso é um caso).
E dizem para você o que você ouviu lá na primeira consulta com o endocrinologista (lembram do dia 22?) que demoraria de 1 ano e meio a 2 anos para operar....Chupa essa manga!

E falaram também do papel do cuidador.Que era figura importante, nos cuidados com os curativos, alimentação, suporte psicológico  etc.  E disseram que aquele era o momento de quem tava na dúvida desistir.
E eu não desisti, e saí de lá mais decidida a fazer a cirurgia do que nunca!

Dias 45 - 131 ou Como não entrar na medicina preventiva


Lá no dia 45 a Dra. Gisele tinha me dito que eu precisava perder 5% do meu peso. Isso pareceu ilusóriamente fácil. Eu comecei a ficar cada vez mais nervosa com a meta e comia em pior qualidade o resultado foi que não perdi nadinha.

Na próxima consulta (08/12/2011 - dia 74) com a nutricionista eu estava nervosa e mencionei o nervosismo solicitando o acompanhamento da psicóloga, o que foi negado.

Bem, eu sabia que o nervosismo estava acabando comigo, entrei na ans solicitando o direito de passar em consulta com a psicóloga e no dia 19/12/2011 (85)eu consegui passar com ela. Fez as mesmas perguntas dos outros 2 médicos (prontuário para quê né) e me encaminhou para a terapia como eu havia pedido. Agora conseguir a avaliação da terapia foi um parto. Eu só consegui fazer isso em março, lá pelo dia 07....

Voltando nesse mesmo dia 85 passei com o Endócrino, que me passou uma fórmula para queimar gordura, que não tenho a mínima vergonha de dizer que não fiz e nem tomei.Se esse negócio de fórmula fosse bom, poderíamos tomar o tempo todo, e não é isso que os médicos falam. Tão logo paramos de tomar engordamos os quilos perdidos e eles trazem outros adicionais.

Dia 131 (03/02/2012) eu passei novamente com a nutricionista e adivinhem: Não perdi nem 200 graminhas... ô derrota! Nada de medicina preventiva!

E eis aqui o meu relato de como não entrar para o grupo de medicina preventiva!

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Como funcionavam as coisas na Dix dias 1 A 45!



 

Como falei no post passado no dia 25/09/2011 eu decidi pela cirurgia, dia 26/09 eu perguntei na comunidade Gastroplastia DixAmico no Orkut. Entrei no tópico como funciona. E lá me informaram como funcionava. Aliás a Léyha Damasceno que me deu aquelas dicas para acelerar a coisa toda. Até hoje a Léyha tem sido uma grande amiga!

Primeiro uma palestra de triagem (28/09/2011-Dia 3). Você marcava uma palestra em uma unidade própria da Dix, depois marca uma consulta com um endócrino, se ele te der indicação para cirurgia (com base nos critérios de indicação), finalmente você é encaminhando para o módulo cirúrgico (com o Dr. Rafael Cortez, outro endocrinologista). E lá fui eu na consulta no dia 17/10 (Dia 22) ás 18:00 conhecer o médico.
Estava com tanto medo que chamei minha mãe para ir comigo.

Ele viu meus últimos  exames de saúde, me encaminhou para a equipe dele, Dra. Gisele -nutricionista, Dra. Daniela – Psicóloga. Disse que tudo dependeria de meu desempenho para ser encaminhada para as palestras pré-operatórias e finalmente ser encaminhada para a cirurgia.
Acontece que Dra Gisele só tinha agenda para dia 08/12. Muuuito tempo! Pedi orientação para as meninas da comunidade e entrei com uma reclamação na ANS (novamente dica da Léyha) e adiantaram a consulta para dia 09/11, um mês antes!

Consulta Dra. Gisele (Dia 45) . Me pesou, perguntou desde quando tenho probemas com a balança, a quantos tenho obesidade mórbida, se tenho colesterol ou glicose altos. Me pediu para tentar seguir a dieta da Dra. Thalita até ela me passar outra.

Falou sobre a cirurgia, do peso que eu perderia com ela (30 a 40% ou seja de 36 a 48 kilos), sobre queda de cabelo, necessidade de suplementos vitamínicos, sobre ser melhor fazer a cirurgia se não pretender ter mais filhos (eu já tenho duas).

E claro, disse que só me colocava no grupo se eu perder 5% do meu peso = 6kg. Aí num teve jeitinho nenhum. Ainda falou que não adianta eu ficar ansiosa, que aí eu num consigo perder peso.... e que quando eu passar com o Dr. Rafael ele devia me  prescrever algum remédio moderador de apetite.Consulta com Dr. Rafael dia 06/12.
Consulta de retorno com a Gisele marcada pra 08/12.
Chegamos ao dia 45 e eu ainda tinha esperança de que as coisas iam ser mais rápidas. Ledo engano,não é?

Primeiros dias – a decisão por uma cirurgia



Eu era uma das pessoas com franco preconceito contra cirurgia bariátrica. Eu colocava cirurgia como última opção das pessoas desesperadas em busca de um caminho fácil, pior ainda do que remédios (eu odiava tomar remédio, considerava uma muleta). Nossa como eu estava mal informada sobre esse assunto.

Como eu  disse tentei uma Reeducação alimentar em 2010, eliminei 19 kilos, mas no inverno de 2011 já havia recuperado 9 kilos. Tentei retomar a RA por 2 meses mas por mais que eu optasse por alimentos integrais, grelhados, comesse de 3 em 3 horas percebi que não conseguia comer pouco. Quando chegava a parte da tarde então eu comia muuuito mais. 

Foi aí que pensei: o problema é quantidade, não qualidade! E comecei a procurar informações sobre a cirurgia. De um zilhão de blogs sobre o assunto o que mais me interessou foi o blog da Val Sleevada. Cobria um tempo interessante (por que quando passa um ou dois meses de cirurgia e surgem as primeiras dificudades muita gente larga o blog) e mostrava uma técnica que eu jamais tinha ouvido falar: o Sleeve.

 Nele o estômago é reduzido a uns 160, 200 mls, em forma de manga = sleeve em inglês, sem o tradicinal desvio intestinal, ou seja não muda a absorção de nutrientes pelo organismo. Claro que ainda é necessária uma suplementação vitamínica, que pode ser nos primeiros meses ou para sempre, cada caso  é um caso.

O problema? Eu não tinha dinheiro para pagar a cirurgia. Mas tinha um plano de saúde. Eu encontrei no Orkut uma comunidade de pessoas no processo de emagrecimento via cirurgia chamada “Gastroplastia Dix Amico” e lá recebi as primeiras instruções de como deveria proceder. Logo de cara eu soube que  aquele caminho de facilidades que eu imaginava ser a cirurgia não era nem um pouquinho real....

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Antes dos 500 dias.

Eu não pensava em fazer essa cirurgia. Os 105 quilos que eu tinha quando dei a luz a minha primeira filha não me incomodavam. Mas o tempo passou e vieram mais 25 quilos.
 Em 2010 eu cheguei aos 130 quilos e procurei um médico para uma reeeducação alimentar e consegui voltar aos 11 quilos. 6 meses depois eu já estava com 120 novamente, vieram dores na articulação, desânimo. E foi então que depois de uns bons meses lendo e relendo sobre a gastroplastia eu decidi por fazer a cirurgia.
Eu tinha medo de operar,mas mais medo ainda de viver sem qualidade de vida.
Foi assim que eu decidi por operar.
E quando soube de tudo que teria de fazer para conseguir me submeter a cirurgia eu pensei:

Laura, chupa essa manga!

Chupa essa Manga!


Esse é o registro de uma mulher de 30 anos que no dia 06/02/2012, dia em que o médico cirurgião aprovará minha gastroplastia, estará completando 500 dias na luta contra obesidade, através da cirurgia e da reeducação alimentar antes e depois dela. A técnica escolhida por mim é o Sleeve(Manga) Gástrico.

Alguns números do que eu vivi até aqui:



  • 25/09/2011 Decidir realizar a cirurgia
  • 28/09/2011 Comecei o processo pela operadora Dix.
  • De lá para cá foram: 20 consultas: 
  • 1 mudança de plano de saúde para Intermédica.
  • 9 palestras pré operatórias
  • 50 exames de sangue
  • 2  exames cardíacos
  • 2 exames pulmonares
  • 2 endoscopias
  • 1 ultrassom
  • 1 raio x
  • 2 equipes médicas
  • 6 laudos

A cirurgia não é um fim é um meio de obter um corpo mais magro e saudável portanto o blog terá o intuito de registrar os 500 dias antes, 500 dias depois de marcar a cirurgia. 1000 dias em busca da saúde!